terça-feira, 17 de janeiro de 2012

A VIDA

Como seres humanos sentimos a necessidade de buscar no passado significado para o presente, relembrar fatos importantes que deram rumo a nossa vida. Há muito tempo o único meio de se preservar a história era por relatos passado de pai para filho (ainda em tribos isso acontece, “as crianças indígenas desenvolvem habilidades e aprendem os mitos dos ancestrais por meio da educação difusa, no convívio com os adultos” Maria Lúcia A. Aranha, p. 33, 2006). 
Momentos vividos em família sempre trás recordações para serem contadas, são tantas festas, almoços, jantares realizados junto que sempre resulta em uma história posterior. Uma vez ouvi que a maior riqueza da vida não são os bens matérias e sim as pessoas que você ama. Viver em um palácio sozinha só trás solidão.
A beleza da vida esta nas pequenas coisas, nos lírios do campo, no amanhecer, no pôr-do-sol, no som da voz dos seus avós, contando várias histórias de sua mocidade. Sentar em uma cadeira de balanço e contemplar o horizonte. No sorriso de uma criança, no abraço dos pais...
As memórias familiares são riquezas que possuímos, é a nossa história, é o que somos hoje. Todo mundo tem histórias para contar, muitas delas foram perdidas com o tempo, por ter sido passada oralmente, mas ainda assim ela existe para ser lembrada.






sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

PARADOXO

A vida da tantas voltas que em nenhuma delas conseguimos prever o que vai acontecer... Desde de pequena a minha vontade era saber o futuro, adorava filmes com esse tema, hoje sei que simplesmente saber o que vai acontecer e não ter poder para mudá-lo não adianta.
A Bíblia nos revela várias mensagens de sabedoria, uma delas esta em Mateus 6:34 "Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal". Como sempre algumas coisas na nossa vida só faz sentido quando acontece.
 Se eu tivesse um “Flash Forward” há dois anos atrás e nele aparecesse esse futuro não iria fazer sentido, com certeza a única coisa que eu ganharia com isso seria uma depressão antecipada, aconteceram tantas mudanças que não da para simplesmente escrever. O som que essas mudanças produziram e estão produzindo ainda machuca meus ouvidos, mas sei que um dia ele irá soar mais brando.