terça-feira, 13 de março de 2012

EDUCAÇÃO


Sei que minha mãe sempre se preocupou com minha educação, desde cedo suas bases de referências foram os escritos de Ellen G. White, isso foi ficando cada vez mais enraizado que até o meu namoro com o Diogo entrou na “dança”, tinha horas estabelecidas para tudo. Voltando ao tema educação, como eu estou prestes a ver o rostinho do meu filho Lucas, fiquei matutando algumas coisas sobre a educação que eu tive, como não posso simplesmente perguntar para você mãe como eu devo fazer isso ou aquilo revolvi buscar a fonte, os escritos de Ellen G. White, tudo que eu já li até hoje dos seus livros sempre foram de grande ajuda para eu poder superar ou entender as reviravoltas da vida.
Procurando por onde começar, já que são inúmeras suas contribuições, escolhi o livro Educação e ao começar a lê-lo achei alguns trechos que merecem destaque, então resolvi compartilhar com vocês.

“A verdadeira educação significa mais do que avançar em certo curso de estudos. É muito mais do que a preparação para a vida presente. Visa o ser todo, e todo o período da existência possível ao homem. É o desenvolvimento harmônico das faculdades físicas, intelectuais e espirituais. Prepara o estudante para a satisfação do serviço neste mundo, e para aquela alegria mais elevada por um mais dilatado serviço no mundo vindouro”. P.13

                No meio de tantas sabedorias que seu livro trás uma citação que não poderia faltar é esta:

“Cada ser humano criado à imagem de Deus, é dotado de certa faculdade própria do Criador - a individualidade - faculdade esta de pensar e agir. Os homens nos quais se desenvolve essa faculdade, são os que encaram responsabilidades, que são os dirigentes nos empreendimentos e que influenciam caracteres. É a obra da verdadeira educação desenvolver essa faculdade, preparar os jovens para que sejam pensantes e não meros refletores do pensamento de outrem. Em vez de limitar o seu estudo ao que os homens têm dito ou escrito, sejam os estudantes encaminhados às fontes da verdade, aos vastos campos abertos a pesquisas na Natureza e na revelação. Que contemplem os grandes fatos do dever e do destino, e a mente expandir-se-á e fortalecer-se-á. Em vez de fracos educados, as instituições de ensino poderão produzir homens fortes para pensar e agir, homens que sejam senhores e não escravos das circunstâncias, homens que possuam amplidão de espírito, clareza de pensamento, e coragem nas suas convicções”. P. 17 e 18.

Os escritos de Ellen ultrapassaram a barreira do tempo, eles permaneceram vivos até hoje.

sábado, 10 de março de 2012

O QUE SERÁ HOJE??? OVO FRITO???


O que é uma tortura para você fazer na cozinha??? Para mim é fritar ovo, até hoje não consigo tirar isso de letra, quando alguém pede para eu fritar um ovo, nossa meu mundo desmorona e começa uma tentativa louca de tentar mudar a idéia de comer ovo frito. O pior de tudo é que ninguém entende que além do ovo quase nunca sair inteiro eu tenho medo do olho. Parece perseguição comigo, quando eu estou fritando o olho não para de espirar, queima minha mão, braço, até o meu pé... Que tortura é fritar um ovo.
Uma vez quando ainda estava noiva do Diogo ele pediu que eu fritasse uns ovos para ele comer com pão, na hora eu tentei fazê-lo mudar de idéia, mas até hoje não tenho muito esse dom, ele sempre ganha com seus argumentos. Tive que falar que não sabia fritar ovo, para quê eu fui falar ele começou a rir e fazer piada do assunto que eu não agüentava mais. Minha mãe vendo que eu estava ficando com raiva, entrou na história para tentar ajudar, pois ela sabia como era ruim não dominar fazer alguma coisa que praticamente todo mundo sabe, no caso da mãe era fazer panquecas.
- Pode deixar eu frito ovo para você meu genro.
-Não precisa não Dona Marta a Jeniffer frita.
Eu olhei para ele com uma cara de brava que ele resolveu parar a brincadeira e teve uma “brilhante” idéia.
-Então ensina para a gente como frita um ovo?
-Claro. Disse minha mãe.
Contra minha vontade lá fomos nós para a cozinha, não seria a primeira vez que minha mãe tentou me ensinar a fritar ovo. Desta vez eu estava indo para a minha sentença de morte, pois em menos de 3 minutos o Diogo aprendeu a fritar o tal ovo e como era esperado eu não, isso resultou em piada por muito tempo.
A gente não tem idéia de quais limitações teremos, o que um ovinho pode fazer com a gente.

sexta-feira, 2 de março de 2012

PINTINHO


Às vezes as memórias vêm à mente quando você menos espera, um dia desses aconteceu algo parecido em uma conversa com o Diogo.
Não me pergunte como começou... Isso já é forçar a barra para minha mente...  RS.
- Amor... Vou trazer uma galinha caipira para você matar...
- Você esta louco, eu não mato galinha.
- Mata sim, você tem sangue de matadora de galinha nas veias.
- Claro que não, eu nunca vi minha mãe matando galinha.
- Você não viu mais com certeza ela fazia isso.
- Deixa eu te contar uma coisa... Uma vez minha tia pegou um pintinho do quintal e me deu, ela disse que era para eu levar para mostrar para minha mãe, até então não entendi muito o porquê, pois minha mãe nasceu na roça e com certeza teria visto muitos pintinhos nascer. E na casa da minha tia também tinha pintinho solto pelo terreiro. Mas mesmo assim peguei o tal pintinho e levei para minha mãe, antes de sair de perto da tia ela falou para eu esconder o pintinho nas mãos, assim eu fiz.  Mãe olha o que eu trouxe para você ver... E abri as mãos para mostrar... Ela deu um pulo da cadeira e regalou os olhos, era como se eu tivesse com uma cobra nas mãos ou sei lá algo muito perigoso. Naquele dia eu descobri que ela tinha pavor de pintinhos, o medo era tanto que nem conseguia falar. Eu acabei me assustando com ela, pois nem imaginava que um bichinho tão inofensivo pudesse deixar alguém naquele estado de choque.  Como sempre eu levei a culpa, ela brigou comigo e disse para nunca mais fazer aquilo.
Agora me explica como pode uma pessoa que tem medo de pintinho consegui matar uma galinha? Definitivamente eu não tenho sangue de matadora de galinha nas veias.
- Medo de pintinhos?