sábado, 31 de maio de 2014

ATÉ QUE A MORTE NOS SEPARE...


Estava aqui pensando nesta frase que falamos no casamento, como forma de compromisso, nós juramos amar até que a morte nos separe, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença... Enquanto viver. 
Sepultar qualquer pessoa querida é muito doloroso. Em um casamento, o cônjuge e os filhos têm formas diferentes de passar pelo luto. A psicologia fala que existem cinco fases fundamentais dentro do luto, sendo elas a negação, a raiva, a negociação, a depressão e a aceitação. Não tem um tempo estipulado para cada fase, muitas vezes, tem pessoas que nunca chega à fase da aceitação, e outras conseguem superar com rapidez¹. 
“Cada pessoa encontra um canto particular para o seu choro e, aos poucos, o coração para de sangrar. No entanto sempre restam feridas”.²
Para os filhos as feridas são diferentes, esses sofrem por saberem que NUNCA mais, terão um pai ou uma mãe, pois não conseguem transferir o sentimento de amor pela mãe ou pai, para outra pessoa. Já o cônjuge vivo, depois de passado a fase do luto, rápido ou demoradamente, um novo amor pode ressurgir, muitas vezes ressurgi.
Como filho, você acredita que para seu pai/mãe, também funcionara assim, nunca terá outra mulher/homem, pois você observava o amor cúmplice, intenso e inspirador que seus pais tinham.  Você acredita que vai durar para sempre. 
Bobagem pensar assim “benzinho”, pois na maioria das vezes o luto passa para seu pai ou sua mãe e eles voltam a viver a vida com uma nova pessoa. Doloroso de aceitar logo de cara, sim, é muito. Ainda mais, se você ainda estiver na fase da negação ou da raiva. Imagina o dilema e misturas de sentimentos.
É claro que o coração dos filhos começa um processo de "tentar" aceitar as decisões que seu pai ou mãe esta tomando, difícil, pois sua mente esta programada para ver seu pai e mãe juntos, para vê-los felizes até ficarem velhinhos e morrerem de mãos dadas, exalando amor para todos os lados. 
Com a ausência de um deles, tudo já começa a ficar preto e branco, depois com a inclusão de outra pessoa no lugar "sagrado", se assim posso dizer, da sua mãe ou pai, fica muitas vezes insuportável de aceitar logo de cara.
O interessante é encontrar pessoas que acha que é seu dever aceitar sem falar um a. Como se sua mente já estivesse preparada para tantas mudanças. 
O processo deve ser lento, dar tempo ao tempo. Pois é só ele, o tempo, que consegue mostrar luz no final do túnel.  
Mesmo com tanta ressalva, a vida ensina que “não existe só uma metade da laranja. Para o ser humano são várias as possibilidades de encontro, de completude”². 
Para quem fica o certo mesmo é viver, e se para isso precise de uma nova pessoa, que seja. Isso é o sinal que a pessoa cumpriu com suas obrigações de cônjuge, até que a morte os separe, agora a carta de alforria foi dada. E a pessoa (pai ou mãe), tem o direito de ser feliz. 

OBS: objetivo para o futuro, mudar esses votos e colocar no lugar de até que a morte nos separe, assim, para toda a eternidade. Aí eu quero ver. Risos.


_______________
¹http://www.psicologiafree.com/curiosidades/luto-5-fases-fundamentais/#
²FREIRE, Ana Maria Araújo. Nós dois. São Paulo: Paz e Terra, 2013.

sexta-feira, 16 de maio de 2014

Cursor



Vontade de escrever sem saber por onde começar. É assim que acordei hoje. O cursor só pisca na folha em branco.
Quando acho que as ideias se encaixaram começo toda ansiosa escrever, escrevo e escrevo. O botão mais usado esta sendo o Delete,  eu escrevo e apago.
Rabisco no papel.  Abro livros. Coloco a caneta na boca. Grifo aqui e ali. Rabisco de novo. E os pensamentos que são muitos, não se ajustam.

E o cursor continua a piscar no papel. 

Quem nunca?
_____________________________
(imagem) http://portalyah.com/facj/page/4/

domingo, 11 de maio de 2014

Presentes de Deus – Dia das mães

 A vida nem sempre nos presenteia com o que queremos, mas sempre tem coisas boas a agradecer, só o simples, ou não tão simples assim, fato de você estar lendo este post, é um presente de Deus.
Hoje estou agradecida, pois tenho alguns presentes especiais para agradecer a Deus neste dia das mães. 



O primeiro é meu filho, que mudou meu conceito a respeito de milagres. Sua existência é um presente, é o que me fez voltar a viver. Você criança linda, sabe me fazer feliz. Você me fez ver o dia das mães com outro significado.










Meu segundo presente, é minha tia linda, ela é minha segunda mãe, por vários motivos posso dizer que você tia me ama, e que sempre estará presente na minha vida, quando você estiver pensando que tudo parece dizer que as coisas não deveriam ser como é, Deus mostra que confiar, sempre é o melhor remédio. Deus proporcionou vida para você estar aqui, compartilhando comigo meus medos, minhas confissões, meus sonhos, e de alguma forma, falar com você é ouvir minha mãe.  Suas ideias, sempre foram parecidas. Acho que é por isso que vocês eram tão próximas. 
Tia como é muito bom poder falar com você, mesmo que seja só pelo telefone. Moramos longe uma da outra, você em Ji-Paraná, interior de Rondônia e eu aqui em Campinas.  Você é para mim uma segunda mãe. Você é especial, deixou sua família e o conforto da sua casa para vir cuidar da mamãe quando ela precisou, foi à única tia que topou pegar um ônibus e andar mais de 3 mil km para poder estar presente no meu casamento. Você só não veio ficar comigo quando o Lucas nasceu, porque sua saúde não andava bem. Eu gosto muito de você. Eu te amo tia Bebel. 


Meu terceiro é minha sogrinha, não poderia deixar de falar dela, minha sogrinha é muito especial, pois me “deu” seu lindo filho, que também é outro presente na minha vida. Ela com sua personalidade peculiar conseguiu ganhar meu coração. Seu amor por mim é um amor de mãe, me sinto amparada por ter você aqui. Quando precisei de auxilio, quem estava por perto disposta a me ajudar, cuidar de mim, fazer sopinha quando fiquei doente, você. Ajudou-me e ajuda, com o Lucas, você sogrinha é uma super vó. 

Amo vocês. Sou grata a Deus por esta benção. 

Feliz dia das mães para todas as mamães que esta aqui, lendo este post. 

sábado, 10 de maio de 2014

Playlist do dia das mães


Boa noite, amanhã comemoramos o dia das mães, resolvi fazer pela primeira vez neste blog uma seleção de música, bom, para quem me conhece, sabe que sou de fases com músicas, mas hoje em especial, as letras destas músicas falam o que sinto, nas minhas diversas fases. 



 




E para aquelas pessoinhas como eu, que esta com o coração apertado, transbordando, um vídeo sobre esse sentimento... De espera, de saudade, de lágrimas...  



quinta-feira, 8 de maio de 2014

DEVANEIO


Boa noite pessoal! Estava me preparando para dormir, mas com a cabeça cheia nem adiantava tentar pegar no sono, estou precisando esvaziar a mente, colocar para fora, um pouco do que se passa dentro de mim.
O meu dilema neste momento é o seguinte, estou me sentindo tão pequena, minúscula, em relação aos meus sonhos, que sinceramente, ah, nem sei bem o que dizer... É um sentimento estranho.
Quando estou assim, escrevo. Pois no papel, consigo organizar meus pensamentos. Consigo refletir e entender o processo.  Descubro que muitas vezes, já sabia a resposta para aquela dúvida, para aquele devaneio.  É interessante pensar que o papel, mesmo digital, tenha uma função tão singela. 
Sempre busco neste recurso uma reflexão sobre a vida, sobre o desenrolar da minha história. 
Percebo muitas vezes que me falta confiança para poder realizar o que sonho. Pensando nisso Vincent T. Lombard fala que “a diferença entre o vencedor e o perdedor não é a força e nem o conhecimento, mas, sim, a vontade de vencer”. 
Será que minha força de vontade é suficiente? Sinto muitas vezes tão atrasada. 
Talvez precise de mais tempo para conseguir atingir meus objetivos, pois meus caminhos foram diferentes da maioria, não me leve a mal, mas não me arrependo de nada, a vida foi mostrando que seria mais feliz assim.
Momentos onde me sinto perdida, ah, acredito que sempre vai existir. Mas basta olhar o passado para ver tudo o que Deus tem feito da minha vida, e ainda faz, para poder entender que não preciso temer o futuro, se for da sua vontade, acontecerá. 


SIM, EU FIZ! (que seja minha fala, ao olhar para trás).


Bons sonhos, a todos...

____________________
Imagem (balões) https://www.facebook.com/megaformaacademia
Imagem (Escadinha) http://www.ganhemaiscirculo.com.br/2013/11/

sábado, 3 de maio de 2014

Pipoca


Hoje acordei assim, pensativa, passei horas pensando em você mãe. Eu sei o que esta fazendo meus gatilhos da memória buscar algumas lembranças com tanta intensidade, é que Maio chegou, e junto aparecem mensagens lindas para as mães, mensagens que gostaria de te mostrar, falar para você.
Meu celular está entupido de mensagens.  Compre isso ou aquilo para sua mãe, ela irá adorar (sinceramente, deveria ter um filtro no cadastro, onde você colocaria a opção de receber ou não certas mensagens, e quando quisesse voltar a receber era só alterar seu cadastro), pensando nos seus gostos eu lembrei como era fácil te agradar, bastava te chamar para assistir uma comédia romântica, suco de uva e muita pipoca para comer, que tudo estava resolvido.
Quando penso em você comendo pipoca, como se fosse a coisa mais saborosa desta terra, não consigo desassociar a imagem do Lucas fazendo a mesma coisa. Comendo pipoca com a “mesma boca”, passando o mesmo significado de simplicidade.


Quando olho para o Lucas vejo muito mais da família do Diogo nele, nos traços físicos, do que da minha família. Entretanto quando o vejo comendo pipoca, minha mente recorda de momentos vividos ao seu lado. Momentos bons, de alegria.  
Sentirei sua falta neste dia das mães.
Estou aprendendo a ser mãe, e sempre que preciso lidar com algo novo, busco os seus ensinamentos, pois pretendo ser uma mãe como você foi.

Sempre te amarei.

sexta-feira, 2 de maio de 2014

Mudanças e Organizações


   Olá, pessoas lindas! Como todo ano, fico ansiosa, até as coisas se engatilharem. Quem nunca? Ano passado, foi o ano D, pois voltei a estudar (comecei uma pós-graduação), como é complicado administrar isso hoje, mas sempre falei que voltaria, dei um jeito e voltei, agora não pretendo parar mais. No mesmo ano, prestei concursos, isso resultou em noites mal dormidas, para não falar meses de noites em claro (ou quase, por que não sou de ferro).  Fiquei cansada, pensei em desistir, várias vezes, mas persisti e consegui o que pretendia. 
   Este ano estou com novos projetos, como sempre a ansiedade e momentos que sinto que estou abraçando coisas de mais vem na minha mente. Minhas metas de leitura para esse ano fluiu bem até Março, Abril não consegui ler muita coisa, só terminei o que já tinha começado. Maio já começou e ainda não abri um livro das metas, isso não quer dizer que não estou lendo, pelo contrario, livros, textos e artigos de Walter Benjamin, Jeanne Marie Gagnebin e António Nóvoa, dentre outros, estão sendo consumidos, fora os textos e artigos de leitura obrigatória da pós. 
    Com todas minhas vontades e metas, estou de novo, desorganizada, decidir o que fazer cada dia é uma tortura, preciso começar administrar isso logo, pois estou só começando. Napoleão Bonaparte já dizia: “Nada é mais difícil e, portanto, tão precioso, do que ser capaz de decidir”.
   Quanto mais coisas para fazer, mais louca eu fico para poder organizar tudo.  Tento não ficar com pensamento negativo, mas até agora parece que nada vai dar certo, mesmo com todas as dificuldades, estou firme. Vou até o fim, vou usar todos os meus recursos. Fazer o meu melhor, e no final do ano eu analiso de novo, se o caminho que decidi percorrer é o certo ou não. 
    Só acho uma coisa, eu deveria ter nascido NERD, assim não precisaria ficar me matando para entender as coisas.